IDENTIDADE QUE NÃO CABE NO RG

 

Vera, Isemene, Lucimara, Laís, Pri Pekin, Djamila, Mari, Marta, Jéssica, Tiely, Flávia, Stéphanie, Fabiana, Clara, Eulina e Luana: 16 mulheres que carregam sabedorias, histórias e palavras diferentes. Mas não tão diferentes assim. No universo feminino há coisas, palavras e sentimentos, desejos e sonhos, que se repetem e não por acaso: são comuns a nós porque TODAS NÓS conhecemos.

Do site do SESC SP:

Durante as atividades do projeto “Generalidades: Sexualidades em Trânsito”, que acontecem em março a abril, a artista Tatit Brandão e a Cia Janela do Coletivo realizarão a intervenção “Identidade Que Não Cabe no RG”. Através de uma sequência de perguntas simples, o público das atividades narrará a sua própria investigação do que são, o porquê estão ali e quais as suas memórias mais antigas do que é ser “mulher”. A partir dos relatos e retratos recolhidos ao longo das atividades, surgirão poesias e frases que se transformarão em lambe-lambes, produzidos no mês de abril em conjunto com o projeto “Juventudes” e, espalhados pela unidade. Com Tatit Brandão (Cia Janela do Coletivo).

Local: Itinerante

Painel em construção: no mural, 16 mulheres fotografadas e entrevistadas no SESC Interlagos – abril de 2015

Foto: Narinha Cuccurullo

QUEM É VOCÊ? O QUE É SER MULHER?

Clara e Eulina: duas mulheres tão diferentes e com sonhos tão iguais. Recorte da exposição “Identidade que não cabe no RG”, que ficou até 30 de junho de 2015 no SESC Interlagos.