A oficina me trouxe um grande aprendizado em relação à fotografia. Comecei a analisar detalhes nas fotos que antes passavam despercebidos. E também, como o curso era voltado para as mulheres, comecei a gostar um pouco mais do meu corpo e das minhas curvas. (Lia, 17 anos) 

A experiência dessa oficina foi maravilhosa. Quando eu notei o tema, achei uma proposta diferente de todos os cursos de fotografia que já tinha visto. Posso dizer que esse curso agregou muito tanto no meu lado artístico como na questão de me questionar o que é ser mulher e como é ser mulher nos dias de hoje. Cada dia do curso foi um aprendizado novo, principalmente por ter conhecido pessoas tão especiais. (Livia, 17 anos)

Teoria também é prática; poderia resumir a oficina Fotografia: Respeita as Minas assim, ocupar espaços, levar questões muitas vezes nunca debatidas, alcançar pessoas; manos e minas. Todo o trabalho realizado durante esse mês, desde os conteúdos genuínos a respeito da fotografia aos debates na hora do lanche, foi uma das mais lindas formas de militância; olhar para o outro como um universo totalmente diferente, descobrir que mesmo no mesmo espaço que você talvez a pessoa não tenha acesso à mesma informação (a respeito da brincadeira sobre os nomes das mulheres representativas) ou que sempre haverá alguém oposto, mas que é possível desconstruir um olhar e reconstruí-lo individual e coletivamente. Respeita as Minas! (Gaby, 19 anos)

"É engraçado, talvez estranho, se admirar verdadeiramente por pessoas que você viu por 3 horinhas duas vezes na semana no decorrer de um mês. Esse é o sentimento que me fica ao final dessa oficina maravilinda: saudade e uma indescritível admiração. "Respeita as minas" me fez conhecer seres incríveis! De personalidades, jeitos, traços, SIGNOS diferentes. Pessoas inigualáveis. Ver essas coisinhas todas as terças e quintas trabalhando pela valorização da mulher (de todasss as mulheres, devo salientar) através de desenhos de luz é de uma sensação indescritível. Dá vontade de guardar todo mundo em uma caixinha só pra você, mas seria um pouco egoísta reprimir tanto talento pra minha única admiração. A oficina me ensinou muito, me deixou ainda mais aberta a diferenças. Me mostrou que paixão e gratidão vale para pessoas que você passou "só" 3 horinhas duas vezes na semana no decorrer de um mês." (Fernanda Lustosa, 16 anos)

As aulas que tive durante a oficina, abriram meus olhos para muitas coisas. Aprendi novas técnicas sobre fotografia, novas concepções sobre as artes visuais e perspectivas únicas sobre como a mulher é representada e qual seu papel nesse meio (da fotografia e da arte em geral). A aprendizagem que eu tive com as aulas práticas e teóricas foram fundamentais para eu estabelecer uma relação ainda mais afetuosa com a fotografia. Além de ter sido uma experiência incrível, minha vida foi, sem sombra de dúvidas, marcada pelas pessoas que conheci durante o curso. (Amanda, 16 anos)

Adorei a oficina. Aprendi bastante sobre fotografia (eu não sabia nada mesmo). A ideia de curadoria coletiva (aliás, de fazer tudo coletivamente) me ajudou muito a trabalhar em equipe; também aprendi a necessidade de ser mais paciente. Já estou com saudades. (Gabriel, 18 anos)

Além da Tatit e a Fer serem ótimas no que fazem, ensinando, trazendo mulheres (e não só mulheres), num grupo mais jovem para aprender sobre fotografia. A oficina com debates e o assunto o que é Ser Mulher em pauta, trocando ideias e explicando, ampliando o conhecimento no geral, é maravilhoso. Aprendi a admirar e ter uma gratidão enorme. Incrível o que foi feito! (Nicoli, 17 anos)

Ah essa experiência... Foi tudo novo, aprendi tantas e tantas coisas, desde técnicas da fotografia até empatia com minhas colegas. Me ensinou que existem um milhão de formas de ser mulher e que todas elas são admiráveis, de um jeito ou de outro! Minha concepção do papel da mulher e como ela é tratada hoje diante toda essa violência também mudou muito! Se eu pudesse prolongava esse curso pra sempre! (Sol, 16 anos)